Ao fechar esta mensagem, e exceto se tiver desativado as cookies, concorda com o seu uso neste dispositivo, de acordo com a Política de Cookies e Termos de Utilização do Website do Colégio São João de Brito. Optando pela desativação das cookies, algumas partes do nosso site poderão não funcionar corretamente.
Aceito
Saiba mais

Ano Letivo

Notícias

(RE)PENSAR A ESCOLA ENQUANTO ESCOLA TRANSFORMADORA


Sabemos que a Escola não é um lugar neutro, que não se limita a transmitir de forma objetiva um conjunto valores e conhecimentos. A escola introduz e legitima formas particulares de vida social. Por isso, urge “(Re)Pensar a Escola enquanto Escola Transformadora”.

No dia 15 de fevereiro, entre as 18 e as 20.30h, na Fundação Cidade de Lisboa, teve lugar uma Conferência com este título e tema, organizada pelo CIDAC (Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral) e a Fundação Gonçalo da Silveira (ONGD jesuíta para a Transformação e a Justiça Social).

 Luísa Teotónio Pereira, do CIDAC, o Secretário de Estado da Educação, Dr. João Costa, e Alexandra Boni, professora de um estabelecimento educativo em Madrid, lançaram ideias sobre esta temática, perante um auditório de mais de 400 pessoas.

O mundo em que vivemos apresenta-nos inúmeros desafios: a globalização; a influência dos meios de comunicação social; o desafio multicultural; a relação entre o progresso da técnica e a ética; os riscos ambientais; a violência e a guerra; a governação.

Qual o papel da Escola no contexto destes múltiplos desafios? A Escola é um espaço privilegiado para a formação de cidadãos críticos e participativos, e para a promoção de um desenvolvimento solidário e sustentável, no sentido da construção de sociedades mais justas e equitativas.

E qual deve ser o perfil do aluno bem sucedido em 2030? Será o de alguém capaz de gerir diversas emoções, conflitos e tarefas; alguém com pensamento crítico e criatividade; alguém que lê o mundo de uma perspetiva intercultural e que tem uma formação integral: ética, estética e artística.

É, por isso, urgente que a Escola ponha no centro a consciência dos problemas do mundo, sendo capaz de gerir os conteúdos programáticos em articulação com eles. Há que fazer opções e assumir a responsabilidade de ser agente de mudança e de criação de novos valores, novas formas de estar e de pensar.

Para tal, uma Escola Transformadora deverá:

  • Ser para a comunidade e estar com a comunidade
  • Ser Inclusiva
  • Ser Participativa
  • Respeitar a Natureza
  • Ser Intercultural
  • Ser Criativa
  • Desenvolver as Artes
  • Promover o trabalho colaborativo
  • Promover a interdisciplinaridade

Desta forma a escola transforma-se num verdadeiro espaço de encontro e participação de toda a comunidade educativa. Promove-se o conhecimento como construção coletiva, que valoriza o saber de todos os envolvidos no ato educativo e não como mero esforço individual. Através de uma relação dialógica, educadores e alunos esforçam-se colaborativamente por compreender o mundo, fundamentando-se nas suas próprias existências, experiências, necessidades, circunstâncias e desejos.

A Escola transforma-se num espaço de reflexão e ação relativamente aos desafios impostos nos dias de hoje.

Com esta conferência, pôs-se a tónica na inovação, como uma ferramenta para ajudar a evoluir, transformar. Falta agora passar das palavras aos atos, sem receio de trilhar o caminho do inconformismo.

Margarida Costa Alves (professora de História do CSJB)

© Colégio de São João de Brito
Propriedade da Província Portuguesa da Companhia de Jesus, Alvará nº 980.